Thursday, August 15, 2019

PT -- FULL SPECTRUM DOMINANCE - Capítulo Dois - Parte 3

Resultado de imagem para pictures of the book Full Spectrum Dominance


ou
  DOMÍNIO DA UNIVERSALIDADE


CAPÍTULO DOIS -- Parte 3

Geopolíticas  da Energia Russa

Em termos de padrão de vida, taxas de mortalidade e prosperidade económica, a Rússia, em 2004, não era uma potência de classe mundial. Em termos de energia, era um colosso. Em termos de massa terrestre, ainda era a maior nação do mundo, estendendo-se desde o Pacífico até à porta da Europa. Tinha um vasto território, recursos naturais enormes e as maiores reservas de gás natural do mundo. De mais a mais, era a única potência à face da Terra com capacidades militares latentes, para se igualar às dos Estados Unidos, apesar do colapso da URSS e da deterioração das forças armadas russas desde então.

Resultado de imagem para map of the caucasus and central asia
Uma observação do mapa esclarece por que é que o Pentágono tem interesse geopolítico em ter bases no Afeganistão, no Paquistão e no Iraque - o controlo militar dos fluxos de petróleo na Ásia Central

A Rússia tinha mais de 130.000 poços de petróleo e cerca de 2.000 depósitos de petróleo e gás. As reservas de petróleo foram estimadas em 150 biliões de barris, semelhantes ao Iraque. Poderiam ser muito maiores, mas ainda não haviam sido exploradas devido à dificuldade de perfurar as regiões remotas do Ártico. No entanto, com os preços do petróleo, em toda a parte, acima de 60 dólares o barril, tornaram economicamente viável explorar essas regiões remotas.

A rede estatal russa de gasoductos, o “sistema unificado de transporte de gás”, incluía uma vasta rede de oleoductos e estações de compressão que se estendiam por mais de 150.000 quilómetros em toda a Rússia. Por lei, somente a Gazprom, propriedade do Estado, podia usar o gasoducto. A rede talvez fosse o bem mais valorizado do Estado russo, além do próprio petróleo e do gás. Aqui estava o coração da nova geopolítica energética de Putin.

Já em 2001, quando se tornou evidente que as repúblicas bálticas estavam prestes a unir-se à NATO, Putin apoiou o desenvolvimento de um novo porto de petróleo importante, na costa russa do Mar Báltico, em Primorsk. Este Sistema de Oleoductos Bálticos (BPS), concluído em Março de 2006, diminuiu muito a dependência da exportação através dos novos Estados da NATO, como a Letónia, a Lituânia e a Polónia. O Báltico era a principal rota de exportação do petróleo da Rússia, das províncias petrolíferas da Sibéria Ocidental e Timan Pechora. Agora, o BPS era capaz de transportar mais de 1,3 milhões de barris/dia de petróleo russo para os mercados ocidentais.

Em Março de 2006, o antigo chanceler alemão, Gerhard Schroeder, foi nomeado presidente de um consórcio público-privado russo-alemão, a construir um gasoducto de 1.200 km sob o Báltico.

O accionista maioritário do North European Gas Pipeline (NEGP) era a estatal russa Gazprom, a maior companhia de gás natural do mundo. A alemã BASF e a E.On detinham 24,5%, cada uma. O projecto de € 5 biliões foi iniciado no final de 2005 e ligaria o terminal de gás, na cidade portuária russa de Vyborg, perto de São Petersburgo, com Greifswald, no leste da Alemanha. Era a clássica geopolítica russa - a tentativa da Heartland de se ligar à Europa Central. O objectivo de Churchill e, mais tarde, da Guerra Fria de Truman, foi o de conduzir uma cunha, uma "cortina de ferro" entre a Europa Central e o centro da Rússia. O seu objectivo era fazer da Grã-Bretanha o mediador geopolítico indispensável ou intermediário de poder entre as duas.

A ‘joint venture’ entre a Gazprom e a BASF foi o último grande acto de Schroeder, como chanceler alemão. O que provocou gritos de protesto do governo polaco, pró-Washington, bem como da Ucrânia, que perderiam o controlo sobre os fluxos dos gasoductos da Rússia. Apesar dos laços estreitos com o governo Bush, a nova chanceler conservadora da Alemanha, Angela Merkel, foi forçada a engolir e a aceitar o projecto. A Rússia era, de longe, o maior fornecedor de gás natural da Alemanha - mais de 40% das suas importações totais de gás.

O gigantesco depósito de gás Shtokman, no sector russo do Mar de Barents, ao norte do porto de Murmansk, também se tornaria parte do fornecimento de gás do NEGP. Quando concluída em dois gasoductos paralelos, a NEGP forneceria, anualmente, à Alemanha, mais de 55 biliões de metros cúbicos de gás russo.

Em Abril de 2006, o governo de Putin começou um oleoducto da Sibéria Oriental-Oceano Pacífico (ESPO), um oleoduto de 14 biliões de dólares, de Taishet no leste da Sibéria, para a costa do Pacífico da Rússia. A Transneft, empresa estatal russa de oleoductos, estava a construí-lo. Quando terminar, bombeará até 1,6 milhões de barris por dia, da Sibéria para o Extremo Oriente da Rússia e daí para a região Ásia-Pacífico, faminta de energia, principalmente para a China e para o Japão.

Além destas condutas, a China estava a discutir, intensamente, com Putin, um ramal entre Blagoveshchensk e Daqing. A rota Taishet fornecia um roteiro para a cooperação energética entre a Rússia e a China, o Japão e outros países da região Ásia-Pacífico.

Sakhalin: as Rédeas da Russia no Big Oil

No final de Setembro de 2006, uma disputa aparentemente menor explodiu e resultou na revogação da licença ambiental para um projecto de Gás Natural Liquefeito da Royal Dutch Shell Sakhalin II, que deveria entregar GNL/gás liquefeito ao Japão, Coreia do Sul e outros clientes, em 2008. A Shell era o sócio principal num projecto de energia de desenvolvimento de petróleo e gás anglo-japonês, na ilha de Sakhalin, no extremo leste da Rússia, uma vasta ilha ao norte de Hokkaido, no Japão.

O governo de Putin anunciou que os requisitos ambientais não tinham sido tidos em conta pela ExxonMobil, para o seu terminal de petróleo em Sakhalin, como parte do seu projecto de desenvolvimento de petróleo e gás Sakhalin I. Sakhalin I continha cerca de 8 biliões de barris de petróleo e enormes volumes de gás, tornando o campo num raro achado Super Gigante de petróleo, na terminologia dos geólogos. No início dos anos 90, o governo de Yeltsin fez uma tentativa desesperada de atrair capitais e tecnologias de investimento ocidentais necessárias para explorar as regiões de petróleo e gás da Rússia, numa época em que o governo russo estava falido e os preços do petróleo muito baixos. Num lance audacioso, Yeltsin concedeu aos Estados Unidos e a outras grandes empresas petrolíferas ocidentais, generosos direitos de exploração de dois grandes projectos petrolíferos, Sakhalin I e Sakhalin II, ambos sob o denominado PSA ou Production Sharing Agreement.

De acordo com os termos do PSA, a Rússia seria paga pelos direitos do petróleo e do gás, em acções do petróleo ou do gás eventualmente produzidos, mas somente depois de todos os custos de produção terem sido, primeiramente, pagos. Os acordos de PSA com as principais empresas petrolíferas ocidentais, só haviam sido feitos anteriormente com governos fracos do Terceiro Mundo, incapazes de exigir condições mais justas.

Pouco antes do governo russo dizer à ExxonMobil que tinha problemas com o seu terminal em Sakhalin, a ExxonMobil anunciou um aumento de 30% no custo do projecto. A ExxonMobil, cujo advogado, James Baker III, mantinha uma estreita parceria com a Casa Branca de Bush-Cheney, sabia que tal aumento de custos adiaria ainda mais qualquer parte do fluxo de petróleo russo do PSA. O Ministério do Meio Ambiente da Rússia, por sua vez, ameaçou interromper a produção da ExxonMobil.

A empresa britânica Shell detinha os direitos, sob outro PSA, de desenvolver recursos de petróleo e gás na região de Sakhalin II e de construir o primeiro projecto de gás natural liquefeito da Rússia. O projecto de US $ 20 biliões empregou mais de 17.000 pessoas e foi o maior projecto integrado de petróleo e gás do mundo. Incluiu a primeira produção de petróleo offshore da Rússia, bem como a primeira plataforma de gás integrada offshore da Rússia.

Os movimentos claros do governo russo contra a ExxonMobil e a Shell foram interpretados, no sector de energia, como uma tentativa do governo de Putin de recuperar o controlo dos recursos de petróleo e gás da Rússia, que Yeltsin tinha concedido, durante a sua época.

O Projecto de Gás Rússia-Turquia

Em Novembro de 2005, a Gazprom da Rússia  completou a etapa final do gasoduto Blue Stream, de 1.213 quilómetros   3,2 biliões de dólares de custo. Trouxe gás russo dos campos em Krasnodar, por meio de condutas submarinas através do Mar Negro até a costa turca (no Mar Negro). De lá, o gasoduto forneceu gás russo a Ancara.

A Grécia, a Itália e Israel envolveram-se em negociações com a Gazprom para se abastecer de gás do gasoducto Blue Stream, em toda a Turquia. Outra rota de gás russo, um Gasoducto Sul-Europeu, estava a ser desenvolvido via Europa Oriental e Central, para estabelecer um novo sistema internacional de transmissão de gás. Putin estava a usar o trunfo da energia da Rússia para construir laços económicos em toda a Eurásia, do Ocidente ao Oriente, do Norte ao Sul. Washington não ficou nada satisfeito.

O Estatuto Militar de Moscovo 
 
No seu discurso à Nação, de Maio de 2003, Vladimir Putin falou em reforçar e modernizar o sistema de dissuasão nuclear da Rússia, criando novos tipos de armas, incluindo algumas para as forças estratégicas, o que, a longo prazo, garantiria a capacidade de defesa da Rússia e dos seus aliados. Depois da Administração Bush ter declarado, unilateralmente, o fim do Tratado de Mísseis Anti Balísticos e anular, de facto, o Tratado Start II em 2001, a Rússia parou de retirar e destruir os seus mísseis SS-18 MIRV-ed.

A Rússia nunca deixou de ser uma entidade poderosa que produzia tecnologias militares de ponta. Se bem que o seu exército, marinha e força aérea estivessem num estado de abandono, no final da Guerra Fria, em 1990, os elementos para o ressurgimento da Rússia como potência militar ainda estavam activos. A Rússia tinha colocado, continuamente, tecnologia de ponta em várias feiras internacionais, usando o mercado mundial de exportação de armas para manter intacta a sua base mais vital de tecnologia militar.

Por exemplo, de acordo com uma análise de 2004 do ‘think tank’ Power and Interest News Report (PINR), sediado em Washington,  uma das melhores realizações da Rússia após a dissolução da União Soviética foi o seu veículo de combate blindado, o BMP-3, que foi preferido aos veículos ocidentais, em contratos com os Emirados Árabes Unidos e Omã.

Os sistemas de mísseis terra-ar da Rússia, o S-300, e o seu sucessor mais poderoso, o S-400, foram relatados como sendo mais potentes do que os sistemas Patriot, feitos nos EUA. Um exercício militar antecipado entre o Patriot e o S-300 nunca se materializou, deixando o complexo russo com a reivindicação incontestável, ainda que não comprovada, de superioridade sobre o sistema americano.

Os helicópteros militares Kamov-50 incorporaram as mais recentes tecnologias e tácticas de ponta, tornando-os iguais aos melhores que Washington possuía, de acordo com fontes da indústria de helicópteros europeus.

Em 2006, nos exercícios conjuntos da Força Aérea Indiana e Americana, nos quais a Força Aérea Indiana estava equipada com caças Su-30 modernos, de fabrico russo, a Força Aérea Indiana suplantou os aviões F-15 fabricados nos Estados Unidos na maioria das suas tarefas, levando o General Hal Homburg, da Força Aérea dos Estados Unidos, a admitir que a tecnologia russa nas mãos dos indianos deu à Força Aérea dos EUA uma “chamada de alerta”. A instituição militar russa continuava a desenhar outros helicópteros, tanques e veículos blindados que estavam em pé de igualdade com os melhores que o Ocidente tem para oferecer. (62)

As exportações de armas, além do petróleo e do gás, tinham sido uma das melhores maneiras da Rússia obter a moeda forte tão necessária nos anos 1990 e no novo século. A Rússia era o segundo maior exportador mundial de tecnologia militar depois dos Estados Unidos. A moderna tecnologia militar da Rússia era mais provável de ser exportada do que fornecida aos seus próprios exércitos. Isso teve implicações para as futuras operações de combate dos Estados Unidos, já que praticamente todas as formações de rebeldes, guerrilheiros, separatistas ou formações armadas em todo o mundo - as mesmas formações que os Estados Unidos mais provavelmente enfrentariam nas suas guerras futuras – estavam equipadas com armas russas ou com os seus derivados.

O arsenal nuclear russo também desempenhou um importante papel político desde o fim da União Soviética, proporcionando a segurança fundamental ao Estado russo. Em 2003, a Rússia teve de comprar à Ucrânia, bombardeiros estratégicos e ICBMs que estavam armazenados lá.

No entanto, desde então, as forças nucleares estratégicas têm sido uma prioridade. Em 2008, as finanças do Estado russo, ironicamente, devido aos preços extremamente altos das exportações de petróleo e gás, estavam numa posição sólida. O Banco Central da Rússia tornou-se o terceiro maior detentor de reservas de dólares do mundo, atrás da China e do Japão, com reservas de mais de 500 biliões de dólares.

O ressurgimento gradual de uma Rússia dinâmica no coração da Eurásia, que estava  a crescer economicamente mais perto da China e das principais nações da Europa Ocidental Continental, foi o desenvolvimento para o qual Brzezinski tinha alertado que poderia ameaçar mortalmente o domínio americano. Foi o pior pesadelo de Halford Mackinder. Ironicamente, as invasões falhadas de Washington no Iraque e no Afeganistão e sua concepção imperfeita da “Guerra ao Terror” ajudaram, directamente, a provocar essa cooperação eurasiática. Também criaram o cenário para o conflito da Geórgia, em Agosto de 2008.

Washington encorajou, obviamente, o Presidente da Geórgia, Mikheil Saakashvili, a invadir a Ossétia do Sul, sabendo claramente que a Rússia seria forçada a intervir para estabelecer a fronteira contra o cerco implacável dos EUA.(63) Washington abanou deliberadamente as chamas de uma Nova Guerra Fria com a Rússia, para instalar uma cunha de ferro entre a Rússia e a Alemanha e trazer a ordem geopolítica mundial de volta ao esquema original de Mackinder, a ordem da Guerra Fria. Tanto para o domínio da América na Europa Ocidental, como para a Rússia, a Alemanha era um parceiro vital. A indústria alemã tornou-se o principal importador europeu de gás natural russo e sua indústria dependia da energia russa. Não havia um substituto possível à vista.

Para alcançar o Domínio do Espectro Total, Washington precisava não só dos recursos das suas Revoluções Coloridas em toda a Europa Central para cercar a Rússia. O Pentágono também precisava de esticar a corda à volta do colosso económico emergente na Ásia, a China. Nesse país, era necessária uma abordagem diferente, dada a extrema dependência financeira dos EUA em relação à China, os seus laços económicos e investimentos. Uma forma de “direitos humanos” como arma da política externa dos EUA estava a desempenhar o papel central, a fim de controlar a China.

Notas de rodapé: 

1 John Arquilla and David Ronfeld, Swarming and the Future of Conflict, Santa Monica, Ca., RAND/National Defense Research Institute, 2000, in www.rand.org/pubs/documented_briefings/2005/RAND_DB311.pdf.

2 Michael Dobbs, US Advice Guided Milosevic Opposition Political Consultants Helped Yugoslav Opposition Topple Authoritarian Leader, Washington Post, December 11, 2000.

3 Ibid.
4 Ibid.
5 Ibid.
6 Ibid.

7 Jonathan Mowat, Coup d'État in Disguise: Washington's New World Order ‘Democratization’ Template, February 9, 2005, in http://globalresearch.ca/articles/MOW502A.html. The author is indebted to Mowat’s ground breaking research on the role of Emery, RAND and others in creating the Color Revolution model for US-led regime coups in Eurasia.

8 Ibid.
9 Ibid.
10 Ibid.

11 William Blum, Killing Hope: U.S. Military and CIA Interventions since World War II, Monroe, Maine, Common Courage Press, 1995.
12 Ibid.

13 Steve Kangas, A Timeline of CIA Atrocities, accessed in www.huppi.com/kangaroo/CIAtimeline.html.

14 William Blum, Op. Cit., p.259 discusses the CIA’s immunity from prosecution for crimes including assassination and bribery.

15 Ibid., pp.72-83.
16 Ibid.

17 John Marks, The Search for the ‘Manchurian Candidate’: The CIA and Mind Control— The Secret History of the Behavioral Sciences, New York, W.W. Norton & Co., 1979, p. 141.

18 Gerard Colby and Charlotte Dennett, Thy Will Be Done: The Conquest of the Amazon: Nelson Rockefeller and Evangelism in the Age of Oil, New York, HarperCollins, 1995, p. 256.

19 Jonathan Mowat, Op. Cit.

20 Bill Cooke, Foundations of Soft Management: Rockefeller, Barnard, and the Tavistock Institute of Human Relations, Lancaster University Management School, accessed in http://209.85.129.132/search?q=cache:f-itMuENYSIJ:www.ncl.ac.uk/ 
nubs/research/centres/mhrg/papers/paper13.pdf+tavistock+institute+rockefeller+ foundation&hl=en&ct=clnk&cd=6.

Cooke notes, ‘While Tavistock histories have been previously written, this is the first to draw on archival material which sets out the early relations between the Rockefeller and TIHR founder ATM “Tommy” Wilson in the 1930s, and shows how the Tavistock’s development into a centre of social and organizational science was supported by the Rockefeller’s medical research program up until the 1950s. It also situates the rise of the Tavistock in a nexus of transatlantic inter-personal relationships on the one hand, and changing UK, US, and world politics on the other.’


Cooke observa: 'Embora as histórias de Tavistock tenham sido escritas anteriormente, esta é a primeira a desenhar material de arquivo que estabelece as primeiras relações entre o fundador da TIHR, ATM Tommy Wilson, na década de 1930, e mostra como o desenvolvimento de Tavistock num centro de ciência social e organizacional foi apoiado pelo programa de pesquisa médica de Rockefeller, até à década de 1950. Ele também situa a ascensão do Tavistock, por um lado, numa associação de relações interpessoais transatlânticas e, por outro lado, a mudar as políticas do Reino Unido, EUA e do mundo.

21 Eric Trist and Hugh Murray, The Social Engagement of Social Science—A Tavistock Anthology: The Foundation and Development of the Tavistock Institute to 1989, quoted in http://everything2.com/e2node/The%2520Tavistock%2520Institute.

22 University of Michigan Institute for Social Research, Research Center for Group Dynamics, History, in http://www.rcgd.isr.umich.edu/history/.

23 A curious tiny group named Situationist International played in inordinately large role behind the student uprisings in May 1968 leading some researchers to posit that it was backed or steered by US intelligence. Even the powerful French Communist trade union, CGT, attempted to quell the student unrest to no avail. De Gaulle was considered a ‘friend’ of the Soviet Union for his opposition to US-run NATO.


23 Um grupo minúsculo e curioso chamado Situationist International desempenhou um papel extraordinariamente importante por trás das revoltas estudantis de Maio de 1968, levando alguns pesquisadores a afirmar que o mesmo era apoiado ou orientado pelos serviços secretos USA. Até mesmo o poderoso sindicato comunista francês, CGT, tentou reprimir a agitação estudantil sem sucesso. De Gaulle era considerado um “amigo” da União Soviética pela sua oposição à NATO, sob comando USA.

24 Jonathan Mowat, Op. Cit.

25 Howard Perlmutter was one of the leading strategists of the US model of globalization from his work at the Wharton School of Finance at University of Pensylvania. At Wharton, he led the internationalization process as Chairman of the Multinational Enterprise Unit and Founder-Director of the Worldwide Institutions Research Center.During this time with his colleague, Tavistock’s Eric Trist, he formulated his vision the Social Architecture of the Global Societal enterprise, based on this paradigm for organizations in the 21st Century. At Wharton, he introduced research and teaching on the global social architecture of the multinational enterprise, multinational organization development, global strategic alliances, global cities, and the globalization of education, in a course called Cross cultural management in the context of the First Global Civilization. Cited in http://www.deepdialog.com/dr_perlmutter/index.html.


25 Howard Perlmutter foi um dos principais estrategas do modelo norte-americano de globalização, devido ao seu trabalho na Wharton School of Finance da Universidade de Pensylvania. Na Wharton, liderou o processo de internacionalização como Presidente da Unidade Empresarial Multinacional e Director Fundador do Centro de Pesquisa de Instituições Internacionais. Durante esse período, com o  seu colega Eric Trist, de Tavistock, formulou a sua visão sobre a Arquitectura Social da Sociedade Global, baseado neste paradigma para as organizações do séc. XXI. Na Wharton, ele introduziu a pesquisa e o ensino sobre a arquitectura social global da empresa multinacional, desenvolvimento de organizações multinacionais, alianças estratégicas globais, cidades globais e a globalização da educação, num curso chamado ‘Gestão Transcultural no Contexto da Primeira Civilização Global’. . Citado em http://www.deepdialog.com/dr_perlmutter/index.html .

26 John Arquilla and David Ronfeldt, In Athena’s Camp: Preparing for Conflict in the Information Age, Santa Monica, CA: RAND, MR-880-OSD/RC, 1997.

27 Mark Ames, Georgia Update: The Not-So-Great Game, accessed in http://www.mailarchive.com/srpskainformativnamreza@yahoogroups.com/msg07366.html.
28 Ibid. 
29 Jonathan Mowat, Op. Cit.
30 Ibid.
31 Ibid.

32 Amitabh Pal, Gene Sharp: The Progressive Interview, The Progressive, March 1, 2007.
33 Ibid.

34 SourceWatch, Open Society Institute, cited in http://www.sourcewatch.org/index.php?title=Soros_Foundation.

35 Jonathan Mowat, Op. Cit.

36 The Albert Einstein Institution, in http://www.aeinstein.org/.

37 Albert Einstein Institution, Report on Activities, 1993-1999, accessed in http://www.aeinstein.org/organizationsda9f.html.

38 SourceWatch, Albert Einstein Institution, in http://www.sourcewatch.org/index.php?title=Albert_Einstein_Institution#Advisors_.281 993-1999.29.

39 US Department of State, John E. Herbst Biography, accessed in http://www.state.gov/r/pa/ei/biog/67065.htm.

40 Kateryna Yushchenko, Biography, on My Ukraine: Personal Website of Viktor Yushchenko, 31 March 2005, accessed in http://www.yuschenko.com.ua/eng/Private/Family/2822/.

41 Orange Revolution in Wikipedia, accessed in http://en.wikipedia.org/wiki/Orange_Revolution.

42 Andrew Osborn, We Treated Poisoned Yushchenko, Admit Americans, The Independent U.K., March 12, 2005, accessed in http://www.truthout.org/article/us-played-big-roleukraines-orange-revolution.

43 Dmitry Sudakov, USA Assigns $20 million for Elections in Ukraine, Moldova, Pravda.ru, 11 March 2005.

44‘Nicholas,’ Forces Behind the Orange Revolution, Kiev Ukraine News Blog , January 10, 2005 accessed in http://blog.kievukraine.info/2005/01/forces-behind-orangerevolution.html.

45 James R. Woolsey, World War IV: A speech by the Honorable James R. Woolsey former Director of the Central Intelligence Agency, November 16, 2002, accessed in http://www.globalsecurity.org/military/library/report/2002/021116-ww4.htm.

46 Freedom House, 2004 Annual Report, Our Partners, p. 37.

47 Nicholas Thompson, This Ain’t Your Mama’s CIA, Washington Monthly, March 2001. Thompson describes the creation of the National Endowment for Democracy and the Reagan Administration’s related ‘Project Democracy: ‘Ronald Reagan loved subversion, and he empowered CIA director William Casey to covertly organize a war in Nicaragua. But Reagan's more lasting legacy comes from his recognition that the weakness of communism could be exploited by international institution building. Reagan proclaimed in 1982 that "The march of freedom and democracy will leave Marxism-Leninism on the ash heap of history," and set in motion a major movement that led to the creation of a number of QUANGOs (quasi-nongovernmental organizations) like the National Endowment for Democracy (NED) that worked to build democratic opposition abroad. In a way, NED was chartered to do what the CIA used to do, only working bottom up and helping activists instead of working top down and lopping off heads. ‘Reagan also worked inside the White House, pulling Walt Raymond, a top-ranking CIA official, over from Langley to organize what the president called "Project Democracy." As part of the project, the United States Information Agency (USIA) began to cook up plans that, except for their openness, seemed like the old CIA. In the summer of 1982, USIA organized democracy-building seminars for African colonels, voting technique lessons for Peruvians, and conferences on freedom for the press in the Philippines and Romania. Cultural ambassadors were even sent by USIA from universities to travel around and preach Reagan's gospel of democracy, and in what Vaclav Havel would say was the most important thing the United States did for his country, USIA beamed the Voice of America and Radio Free Europe into Czechoslovakia. Simultaneously, the CIA sent millions of dollars to the Solidarity movement in Poland by way of the international arm of the AFLCIO.’

Nicholas Thompson, Esta não é a CIA da sua Mãe, Washington Mensal, Março de 2001. Thompson descreve a criação do Fundo Nacional para a Democracia e o projecto relacionado com a democracia: Ronald Reagan adorava a subversão e deu autoridade ao Director da CIA, William Casey para organizar secretamente uma guerra na Nicarágua. Mas o legado mais duradouro de Reagan vem do seu reconhecimento de que a fraqueza do comunismo poderia ser explorada pelo fortalecimento institucional internacional. Reagan declarou, em 1982, que “A marcha da liberdade e da democracia deixará o marxismo-leninismo no monte de cinzas da História", e colocou em movimento um grande movimento que levou à criação de um número de QUANGOs (organizações quase não-governamentais) como o National Endowment for Democracy (NED), que trabalhou para construir a oposição democrática no estrangeiro. De certa forma, a NED foi contratada para fazer o que a CIA costumava fazer, trabalhando apenas de baixo para cima e ajudando os activistas, em vez de trabalhar de cima para baixo e decepar as cabeças. ‘Reagan também trabalhou dentro da Casa Branca, puxando Walt Raymond, um alto funcionário da CIA, de Langley para organizar o que o Presidente designou como “Projecto Democracia”. Como parte do projecto, a Agência de Informação dos Estados Unidos (USIA) começou a elaborar planos que, excepto pela sua abertura, pareciam a antiga CIA. No verão de 1982, a USIA organizou seminários de construção da democracia para os coronéis africanos, aulas técnicas de votação para os peruanos e conferências sobre liberdade, para a imprensa nas Filipinas e na Roménia. Embaixadores culturais foram até enviados pelas universidades da USIA para viajar e pregar o evangelho da democracia de Reagan, e no que Vaclav Havel diria que foi a coisa mais importante que os Estados Unidos fizeram para seu país, a USIA transmitia a Voz da América e a Rádio Europa Livre (the Voice of America e Radio Free Europe) na Checoslováquia. Simultaneamente, a CIA enviou milhões de dólares para o movimento Solidariedade, na Polónia, por meio do braço internacional da AFLCIO.

48 David Ignatius, Openness Is the Secret to Democracy, Washington Post National Weekly Edition, 30 September-6 October,1991, 24-25.

49 Eva Golinger, The Proof is in the Documents: The CIA Was Involved in the Coup Against Venezuelan President Chavez, accessed in http://www.venezuelafoia.info/english.html.

50 Political Research Associates, Right Web, Profile Carl Gershman, accessed in http://rightweb.irc-online.org/profile/1199.html.

51 Scoop Independent News, Otto Reich Named on Board to Oversee SOA, May 3, 2002, accessed in http://www.scoop.co.nz/stories/WO0205/S00006.htm.

52 Zbigniew Brzezinski, A Geostrategy for Eurasia, Foreign Affairs, September/ October 1997.

53 F. William Engdahl, A Century of War: Anglo-American Oil Politics and the New World Order, London, Pluto Press, 2004, pp.253-255.

54 George W. Bush, President Addresses and Thanks Citizens in Tbilisi, Georgia, May 10, 2005, accessed in http://www.state.gov/p/eur/rls/rm/45891.htm

55 Dick Cheney, Remarks to the London Institute of Petroleum Autumn Lunch, September 1999, published by the Institute of Petroleum June 8, 2004 and subsequently removed from their own website. Archived and reprinted in full at http://www.energybulletin.net/node/559.

56 Donald Kagan et al, Rebuilding America’s Defenses: Strategy, Forces and Resources For a New Century, September 2000, The Project for the New American Century (PNAC), Washington, D.C., p. 61, in www.newamericancentury.org/RebuildingAmericasDefenses.pdf.
57 Ibid.

58 Dmitry Slobodanuk, The State Determined to Own Oil and Gas, Pravda, September 23, 2003.

59 Tanvir Ahmad Khan, Russia’s Return to Centre Stage, Dawn, February 26, 2007, accessed in http://www.dawn.com/2007/02/26/op.htm  

60 Greg Schneider, Arrested Russian Businessman Is Carlyle Group Adviser, November 10, 2003, The Washington Post.
61 Ibid.

62 Yvgeny Bendersky, “Keep a Watchful Eye on Russia’s Military Technology,” Power & Interest News Report, July 21, 2004. 

63 Russia Today, Saakashvili: we started the war, November 28, 2008, Russia Today, accessed in http://www.russiatoday.com/news/news/33939 . See also, Oleysa Vartanyan and Ellen Barry, Ex-Diplomat Says Georgia Started War With Russia, November 25, 2008, The New York Times, accessed in http://www.nytimes.com/2008/11/26/world/europe/26georgia.html?_r=1&partner=rss&emc=rss. The Times reports that, ‘Erosi Kitsmarishvili, Tbilisi’s former ambassador to Moscow, testifying before a Georgian Congressional Commission, ‘said Georgian officials told him in April that they planned to start a war in Abkhazia, one of two breakaway regions at issue in the war, and had received a green light from the United States government to do so. He said the Georgian government later decided to start the war in South Ossetia, the other region, and continue into Abkhazia.’ 


O Times relata que, "Erosi Kitsmarishvili, antigo Embaixador de Tbilisi, em Moscovo, testemunhando perante uma Comissão Parlamentar da Geórgia, “disse que as autoridades georgianas, em Abril, que planeavam iniciar uma guerra na Abkhazia, uma das duas regiões separatistas em deascordo sobre a guerra e que tinha recebido luz verde do governo dos Estados Unidos para fazê-lo. Disse que o governo da Geórgia decidiu mais tarde iniciar a guerra na Ossétia do Sul, a outra região, e continuar para a Abkházia.

A seguir:

CAPÍTULO TRÊS

Controlar a China com a Democracia Sintética

Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos
Email: luisavasconcellos2012@gmail.com

No comments:

Post a Comment



Imagem

PT -- VLADIMIR PUTIN na Sessão plenária do Fórum Económico Oriental

Excertos da transcrição da sessão plenária do Fórum Económico Oriental

índice


“Copyright Zambon Editore”

PORTUGUÊS

GUERRA NUCLEAR: O DIA ANTERIOR

De Hiroshima até hoje: Quem e como nos conduzem à catástrofe

ÍNDICE

me>

FOX NEWS

TRIBUTE TO A PRESIDENT


NA PRMEIRA PESSOA

Um auto retrato surpreendentemente sincero do Presidente da Rússia, Vladimir Putin

CONTEÚDO

Prefácio

Personagens Principais em 'Na Primeira Pessoa'

Parte Um: O Filho

Parte Dois: O Estudante

Parte Três: O Estudante Universitário

Parte Quatro: O Jovem especialista

Parte Cinco: O Espia

Parte Seis: O Democráta

Parte Sete: O Burocrata

Parte Oito: O Homem de Família

Parte Nove: O Político

Apêndice: A Rússia na Viragem do Milénio





Pigeon's comment: I'm very lucky to have the chance to meet my leader
 ...


Daniele Ganser

Açores


Subtitled in EN/PT

Click upon the small wheel at the right side of the video and choose your language.


xmas





“Glory to God in the highest,

and on Earth

Peace, Good Will toward men.”

This Christmas, Give Peace