Saturday, March 2, 2019

PT -- A Quem Serve Agora, a Nova NATO Árabe? de Margherita Furlan

Resultado de imagem para PICTURES OF Margherita Furlan
de Margherita Furlan
1 de Março de 2019

"O Irão é a principal ameaça no Médio Oriente e enfrentar a República Islâmica é a chave para alcançar a paz em toda a região". Enquanto o Secretário de Estado americano, Mike Pompeo, pronunciava estas palavras na Polónia, na mesma ocasião, em 13 de Fevereiro, o Irão foi atingido por um ataque kamikaze: 42 militares da Guarda Revolucionária, foram mortos na província sudeste de Sistan e de Baluchistan. A reivindicação proveio do grupo jihadista sunita Jaish al-Adl, que decidiu atacar enquanto o país celebrava o 40º aniversário da Revolução Islâmica. No quase silêncio total da nossa comunicação mediática.
“Não é mera coincidência que o Irão seja atingido pelo terror no dia em que o circo de Varsóvia começa – escreveu num tweet, o Ministro dos Negócios Estranjeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif - sobretudo quando os apoiantes desses mesmos terroristas estão a aplaudir, nas ruas de Varsóvia. “A Zarif não passa despercebida a presença do antigo prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, nos protestos do Mujahedin-e Khalq ao longo das ruas da capital polaca, enquanto se desenrolava a “Conferência para a Estabilização do Médio Oriente”, promovida e organizada pelos Estados Unidos. O objectivo da mesma: criar uma frente unida contra o Irão. Estavam presentes o Vice-Presidente Mike Pence, o Secretário de Estado, Mike Pompeo, e o Conselheiro para os Assuntos do Médio Oriente, bem como o genro do inquilino da Casa Branca, Jared Kushner. Em Varsóvia estava também, como Ministro da Defesa e dos Negócios Estrangeiros interino, o Primeiro Ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.
Na cimeira, que reuniu mais de 50 países, participaram delegações lideradas pelos Ministros da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Marrocos, Omã, Iémen, Jordânia. Se bem que o Egipto e a Tunísia enviaram Vice-Ministros. Fazendo as contas aos ausentes, Teerão pode contar com o apoio ou com a neutralidade da Argélia, Líbia, Sudão, Líbano, Síria, Iraque, Kuwait, Qatar, bem como da Turquia, potência sunita não-árabe.
Em sincronia com a cimeira polaca, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, encontrava-se em Sochi com os seus homólogos do Irão e da Rússia, Hassan Rohani e Vladimir Putin, reunidos para uma nova reunião do trio de Astana, sobre a Síria. Por outro lado, após a derrota do Daesh na Síria, os Estados Unidos e Israel não se resignaram à influência do crescente vermelho xiita e da Rússia, que agora se expande do coração da Mesopotâmia até ao Mediterrâneo. Não será então que a Cimeira de Varsóvia foi dirigida não apenas contra o Irão, mas também contra a Rússia de Putin e contra a China?
Vamos com ordem e voltemos, por um momento, a Varsóvia. Não é por acaso que os Estados Unidos escolheram um local tão a norte e, ao mesmo tempo, tão a leste, para falar sobre o Médio Oriente. De facto, Washington prometeu a Varsóvia, aumentar o número de tropas de “Fort Trump” contra o anunciado (na realidade apenas pela poderosa força de comunicação da NATO) perigo de invasão russa. Com uma condição: que o governo polaco cancele os contratos já assinados, com a empresa chinesa Huawei para o desenvolvimento da rede da 5ª Geração. Washington sabe bem que quem vencer a guerra das comunicações, controla o mundo. Assim, em Varsóvia, enquanto satisfaz os desejos beligerantes de Bibi, fortalece a NATO na fronteira com a Rússia, agora cercada, e protege a sua hegemonia agora em declínio, contra o Império Celeste, que avança e divide, mais uma vez, a Europa.
A Ásia Oriental é agora a principal ameaça para Washington, mas os investimentos que gravitam em torno da nova Rota da Seda fazem inveja a Bruxelas, que, em plena crise económica e institucional, não está nem mesmo disposta a interromper as transacções comerciais com o Irão. Foi significativa, em Varsóvia, a ausência da Alta Representante da Política Externa da UE, Federica Mogherini, que está a trabalhar num novo mecanismo financeiro que contorna as sanções dos Estados Unidos contra Teerão. No entanto, a Itália, embora isenta de sanções USA, já congelou a compra do petróleo iraniano (talvez ainda com esperança nos poços de petróleo da Líbia?), e respondeu, inesperada e imediatamente, ao apelo USA, enviando para Varsóvia o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Enzo Moavero Milanesi.
Entre os países europeus, além da Itália, esteve presente com o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt, entre outros, apenas a Grã-Bretanha, no odor do “Brexit duro”. Outros países europeus decidiram estar lá, mas com delegações de baixo perfil. Por outro lado, os mesmos serviços secretos militares de Israel - aponta o Washington Post que também destaca uma nova lacuna de abordagem, dentro do ‘establishment’ americano – revelam, precisamente em 13 de Fevereiro, que o Irão “não violou o acordo sobre energia nuclear”, confirmando o que foi declarado pelos serviços secretos americanos alguns dias antes.


Parece, portanto, que desta vez os eficientíssimos serviços secretos israelitas se atrasaram a fornecer as informações a Netanyahu que, num impulso, twitou: "O que é importante nesta cimeira - e não é segredo, porque há muitos - é que se trata de uma reunião aberta com representantes dos principais países árabes, que estão sentados juntos com Israel para promover o interesse comum: a guerra contra o Irão.” Mas então alguém interveio para acalmar o frenesi espasmódico de Bibi e o tweet, com a mesma velocidade com que foi publicado, desapareceu no submundo escuro da world wide web. O Primeiro Ministro israelita, no seu discurso em Varsóvia, limitou-se a falar sobre a necessidade de “combater o Irão”, salientando, entre outras coisas, a próxima abertura de relações diplomáticas da parte de diversos países árabes, entre os quais o Iémen, Omã, Bahrain. O plano de Tcefoah, de Jared Kushner, aguardado há dois anos, passou quase despercebido: a questão palestiniana, que antes era divisionista, tornou-se quase irrelevante.
De Varsóvia, outrora conhecida pela aliança militar entre os países do antigo Bloco soviético, agora parecem dar-se os primeiros passos da nova NATO árabe contra o Irão. O plano, conhecido como a Aliança Estratégica do Médio Oriente (MESA), concentrará os pesos pesados do Golfo, da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos. A criação de um escudo antimíssil de defesa regional, que os Estados Unidos e os países do Golfo discutiram durante anos sem resultados, seria agora uma meta alcançável. Israel é responsável pela orientação do plano. O que podemos esperar? O pior.

Margherita Furlan, jornalista independente, co-fundadora de pandoratv.it. Direccionada para a exposição das mentiras e da propaganda das principais notícias da comunicação mediática, lida em particular com as questões do Médio Oriente e da NATO. Para mais informações e perguntas da comunicação mediática, por favor, vá a http://margheritafurlan.com  

CONVITE PARA A
CONVENÇÃO INTERNACIONAL DO
 70º ANIVERSÁRIO DA NATO




No comments:

Post a Comment



Imagem

PT -- VLADIMIR PUTIN na Sessão plenária do Fórum Económico Oriental

Excertos da transcrição da sessão plenária do Fórum Económico Oriental

índice


“Copyright Zambon Editore”

PORTUGUÊS

GUERRA NUCLEAR: O DIA ANTERIOR

De Hiroshima até hoje: Quem e como nos conduzem à catástrofe

ÍNDICE

me>

FOX NEWS

TRIBUTE TO A PRESIDENT


NA PRMEIRA PESSOA

Um auto retrato surpreendentemente sincero do Presidente da Rússia, Vladimir Putin

CONTEÚDO

Prefácio

Personagens Principais em 'Na Primeira Pessoa'

Parte Um: O Filho

Parte Dois: O Estudante

Parte Três: O Estudante Universitário

Parte Quatro: O Jovem especialista

Parte Cinco: O Espia

Parte Seis: O Democráta

Parte Sete: O Burocrata

Parte Oito: O Homem de Família

Parte Nove: O Político

Apêndice: A Rússia na Viragem do Milénio





Pigeon's comment: I'm very lucky to have the chance to meet my leader
 ...


Daniele Ganser

Açores


Subtitled in EN/PT

Click upon the small wheel at the right side of the video and choose your language.


xmas





“Glory to God in the highest,

and on Earth

Peace, Good Will toward men.”

This Christmas, Give Peace