Tuesday, April 24, 2018

PT- Manlio Dinucci -- A Arte da Guerra -- Setenta anos de sujeição aos USA e à NATO


Image result for PICTURES OF sudditanza a USA e NATO

A Arte da Guerra

Setenta anos de sujeição aos USA e à NATO

Manlio Dinucci


“Se alguém pensa desligar a Itália dos nossos aliados históricos, que são o Ocidente e os países da NATO, então encontrar-me-á sempre em oposição a isso.  Sobretudo, a Itália e o Movimento 5 Estrelas nunca disseram que se querem afastar dos nossos aliados históricos »: esta declaração do candidato a Primeiro Ministro, Luigi Di Maio, levanta uma questão fundamental que vai para além do actual debate político.(Video entrevista à Otto e mezzo su La7, 16 Abril -- 32:55") 

Qual é o balanço dos setenta anos de ligação da Itália aos seus "aliados históricos"?

Em 1949, com o 5º governo De Gasperi (Democracia Cristã - PLI-PSLI-PRI), a Itália tornou-se membro da NATO, sob comando USA. Logo depois, segundo os acordos secretos assinados por De Gasperi em Washington, em 1947, começou a instalação das bases e das forças dos EUA, com cerca de 700 armas nucleares. 

Durante 40 anos, na estratégia USA/NATO, a Itália está na vanguarda do confronto com a URSS e com o Pacto de Varsóvia e sacrificável em caso de guerra (os EUA também têm preparadas no nosso território, minas atómicas de demolição).

Acabada a Guerra Fria, com a dissolução do Pacto de Varsóvia e da URSS, em 1991, inicia-se em Itália, não um período de paz, mas uma série contínua de guerras na peúgada do seu principal “aliado histórico”. 

Em 1991, com o 6 ° Governo Andreotti (DC - PSI - PSDI - PRI - PLI), a República Italiana participou no Golfo, sob comando USA, na sua primeira guerra, violando o art. 11 da Constituição. 

Em 1999, com o governo D'Alema (ULIVO - PDCI - UDEUR), a Itália desempenha um papel fundamental, com as suas bases e os seus caças-bombardeiros, na guerra da NATO contra a Jugoslávia. 

Em 2003, com o 2º governo Berlusconi (Força Itália - AN - LN - CCD-CDU), a Itália iniciou a sua participação (ainda em curso após 15 anos) na guerra USA/NATO, no Afeganistão.

Também em 2003, com o mesmo Governo, participa na invasão do Iraque, inserida na coligação sob comando USA. 

Em 2011, com o 4º governo Berlusconi (PDL, LN, MPA), a Itália desempenha um papel de primordial importância na guerra da NATO contra a Líbia, na qual participa com 7 bases aéreas, caças-bombardeiros e unidades navais. 

De 2014 a 2018, com o governo Renzi (Partido Democrático, NCD, SC, UCD) e com o governo Gentiloni (a mesma coligação), a Itália participa da escalada USA/NATO contra a Rússia, enviando tropas para a Letónia e bombardeiros para a Estónia.

Ao mesmo tempo, estes e os outros governos, cedem o nosso território ao Pentágono, que o utiliza como uma ponte de comando e de lançamento para operações militares numa vasta área geográfica.

O Comando das Forças Navais USA Europa-África, em Nápoles-Capodichino, às ordens do mesmo almirante americano que comanda a Força Conjunta Aliada, em Lago Patria, cobre metade do Oceano Atlântico e os mares que banham toda a Europa, Rússia e quase toda a África.

As bases americanas de Aviano, Vicenza, Camp Darby, Gaeta, Sigonella e a estação MUOS em Niscemi, destinam-se a operações militares no Médio Oriente, África e Europa Oriental.

Ligada aos EUA, directamente e através da NATO - onde os EUA ocupam,  desde 1949, a posição de Comandante Supremo Aliado na Europa e em todos os outros comandos-chave - a Itália está privada de poder soberano, na política externa. As novas bombas nucleares B61-12, que os EUA irão instalar na Itália a partir de 2020, vão expor-nos a riscos ainda maiores.

Luigi Di Maio assinou o Compromisso ICAN para fazer aderir a Itália ao Tratado ONU sobre a Proibição das Armas Nucleares, portanto, para retirar de Itália as armas nucleares americanas. Será que ele vai manter esse compromisso ou quebra-lo-á para não “desvincular a Itália” do seu principal “aliado histórico”?


Il Manifesto, 24 de Abril de 2018

NO WAR NO NATO

Qualquer pessoa de qualquer país pode assinar esta petição.

videos




Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

No comments:

Post a Comment

índice


“Copyright Zambon Editore”

PORTUGUÊS

GUERRA NUCLEAR: O DIA ANTERIOR

De Hiroshima até hoje: Quem e como nos conduzem à catástrofe

ÍNDICE

me>

FOX NEWS

TRIBUTE TO A PRESIDENT


NA PRMEIRA PESSOA

Um auto retrato surpreendentemente sincero do Presidente da Rússia, Vladimir Putin

CONTEÚDO

Prefácio

Personagens Principais em 'Na Primeira Pessoa'

Parte Um: O Filho

Parte Dois: O Estudante

Parte Três: O Estudante Universitário

Parte Quatro: O Jovem especialista

Parte Cinco: O Espia

Parte Seis: O Democráta

Parte Sete: O Burocrata

Parte Oito: O Homem de Família

Parte Nove: O Político

Apêndice: A Rússia na Viragem do Milénio





Pigeon's comment: I'm very lucky to have the chance to meet my leader
 ...


Daniele Ganser

Açores


Subtitled in EN/PT

Click upon the small wheel at the right side of the video and choose your language.


xmas





“Glory to God in the highest,

and on Earth

Peace, Good Will toward men.”

This Christmas, Give Peace