Tuesday, April 17, 2018

PT - Manlio Dinucci -- A Arte da Guerra Falsidades ‘made in USA’ e mentiras ‘made in Italy’



A Arte da Guerra

Falácias ‘Made in USA’ e mentiras ‘Made in Italy’

Manlio Dinucci


Para motivar a guerra de 2003, os EUA acusaram o Iraque de possuir armas de destruição em massa: o Secretário de Estado, Colin Powell, apresentou à ONU uma série de “provas” depois demonstradas falsas, como ele mesmo teve de admitir em 2016. “Provas” análogas são agora apresentadas para provocar o ataque à Síria pelos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França.

O General Kenneth McKenzie, Joint Staff Director do Pentágono, apresentou um relatório, em 14 de Abril, acompanhado por fotos de satélite, do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Barzah, em Damasco, designando-o como “o coração do programa de armas químicas da Síria”. O Centro, que constituía  o alvo principal, foi atacado com 76 mísseis de cruzeiro (57 Tomahawk lançados de navios e submarinos e 19 JASSM de aviões).

O objectivo foi destruído, anunciou o General, “trazendo de volta, após alguns anos, o programa das armas químicas da Síria”. Desta vez não há necessidade de esperar treze anos para confirmar a falsidade da “prova”.

Um mês antes do ataque, em 13 de Março, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW/OPAQ) anunciara oficialmente o resultado da segunda inspecção, realizada no Barzah Center, em Novembro de 2017 e das análises das amostras recolhidas em Fevereiro de 2018: “A equipa de inspecção não observou nenhuma actividade contrária às obrigações decorrentes da Convenção das Armas Químicas”.

Não foi por acaso que o Centro Barzah foi destruído pouco antes da chegada, pela terceira vez,  dos inspectores da OPCW. A Síria, um Estado membro da OPCW, completou, em 2014,  o desarmamento químico, enquanto Israel, que não adere à Convenção das Armas Químicas, não está sujeito a nenhum controlo.

Mas deste assunto não fala o aparelho político-mediático que, pelo contrário, acusa a Síria de possuir e usar armas químicas.

O Primeiro Ministro Gentiloni declarou que a Itália, apesar de apoiar “a acção limitada e destinada a atacar o fabrico de armas químicas”, não participou de forma alguma. De facto, essa mesma acção foi previamente acordada e planeada na sede da NATO. É provado pelo facto de que, imediatamente após o ataque, o Conselho do Atlântico Norte foi convocado, no qual os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França “informaram os Aliados sobre uma acção militar conjunta na Síria” e os Aliados exprimiram oficialmente “o seu apoio total a esta acção”.

Gentiloni também declarou que “o apoio logístico que fornecemos sobretudo aos EUA, não poderia de modo algum ser traduzido, no facto de que acções directas destinadas a atacar a Síria, partam do território italiano”. Na realidade, o ataque à Síria vindo do Mediterrâneo foi dirigido pelo Comando das Forças Navais dos EUA na Europa, com sede em Nápoles-Capodichino, às ordens do Almirante James Foggo que, ao mesmo tempo, comanda a Força Conjunta da NATO, com sede em Lago Patria (Nápoles).

A operação bélica foi apoiada pela base da Força Aérea dos EUA, em Sigonella e pela estação americana de Niscemi, do sistema MUOS de transmissões navais.

Como mostram os rastos nos radares, os drones espiões americanos, RQ-4 Global Hawk, levantando voo de Sigonella, tiveram um papel fundamental no ataque à Síria, apoiados por aviões-cisterna para reabastecimento dos caças.

Portanto, a Itália partilha a responsabilidade duma acção de guerra que viola as normas mais elementares do Direito Internacional. Ainda não se sabe quais serão as consequências, mas é certo que alimenta as chamas da guerra, se bem que Gentiloni assegure que “não pode ser o início de uma escalada”.


Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

No comments:

Post a Comment




Pigeon's comment: I'm very lucky to have the chance to meet my leader
 ...


PUTIN

Açores


Subtitled in EN/PT

Click upon the small wheel at the right side of the video and choose your language.


PUTIN FRENCH

putin

VLADIMIR SOLOVYOV WORLD ORDER

PRESIDENT

lie we live

pt

xmas





“Glory to God in the highest,

and on Earth

Peace, Good Will toward men.”

This Christmas, Give Peace