Friday, March 1, 2019

PT -- F. William Engdahl -- FULL SPECTRUM DOMINANCE -- INTRODUÇÃO




F. William Engdahl



Resultado de imagem para pictures of the book Full Spectrum Dominance



INTRODUÇÃO

Passaram menos de dois decénios desde o colapso da União Soviética e o fim de um mundo polarizado durante décadas, por duas superpotências militares opostas. No final de 1989, a Alemanha Comunista de Leste e a República Democrática Alemã, como era conhecida, começaram a romper as barreiras do controlo soviético e, em Novembro daquele ano, o tão odiado Muro de Berlim estava a ser derrubado, pedra por pedra. As pessoas dançavam sobre o muro, celebrando o que acreditavam ser uma nova liberdade, o paraíso da "American Way of Life".

O colapso da União Soviética era inevitável no final da década de 1980. A economia tinha sido literalmente sangrada até ao osso, a fim de alimentar uma corrida armamentista sem fim, com o seu rival máximo e oponente da Guerra Fria, os Estados Unidos. No final de 1989, a liderança soviética era suficientemente pragmática para eliminar os últimos vestígios da ideologia marxista e erguer a bandeira branca da rendição. O “capitalismo do mercado livre” conquistou o "socialismo de Estado.”

O colapso da União Soviética originou júbilo em toda a parte, com excepção da Casa Branca, onde, inicialmente, o Presidente George H. W. Bush reagiu em pânico. Talvez não tivesse a certeza da maneira como os Estados Unidos continuariam a justificar a sua enorme despesa com armamentos e o seu enorme aparato de serviços secretos/inteligência - desde a CIA até a NSA, a Agência de Inteligência de Defesa e outras mais - sem um inimigo soviético. George H.W. Bush era um produto e um perito do National Security State da Guerra Fria. O seu mundo era de ‘imagens inimigas’, espionagem e secretismo, em que as pessoas se esquivavam, frequentemente, da Constituição dos Estados Unidos quando a ‘segurança nacional’ estava envolvida. À sua maneira, era um Estado dentro do Estado, um mundo tão central e controlado quanto a União Soviética, apenas com conglomerados de defesa e energia multinacionais privados e organizações de coordenação, em vez do Politburo soviético. Os seus contratos militares ligavam cada parte da economia dos Estados Unidos ao futuro dessa máquina de guerra permanente.

 Para os segmentos do ‘establishment’ norte-americano, cujo poder cresceu exponencialmente com a expansão da Segurança Nacional do Estado, após a Segunda Guerra Mundial, o fim da Guerra Fria significou a perda da sua razão de existir.
Como o único poder hegemónico restante após o colapso da União Soviética, os Estados Unidos depararam-se com duas maneiras possíveis de lidar com a nova realidade geopolítica russa.

Poderia ter sinalizado cautelosa, mas claramente, a abertura de uma nova era de cooperação política e económica, com o seu antigo adversário da Guerra Fria, fragmentado e economicamente devastado.

O Ocidente, liderado pelos Estados Unidos, poderia ter encorajado a desanuviação mútua do equilíbrio nuclear de terror da Guerra Fria e a conversão da indústria - tanto ocidental como oriental - em empreendimentos civis para reconstruir a infraestrutura civil e restaurar as cidades empobrecidas.

Os Estados Unidos tinham a opção de desmantelar gradualmente a NATO, assim como a Rússia dissolveu o Pacto de Varsóvia, e promover um clima de cooperação económica mútua que poderia transformar a Eurásia numa das zonas económicas mais prósperas e florescentes do mundo.

No entanto, Washington escolheu outro caminho para lidar com o fim da Guerra Fria. O caminho poderia ser compreendido apenas a partir da lógica interna de sua agenda global - uma agenda geopolítica. A única Superpotência que restou escolheu o secretismo, o engano, as mentiras e as guerras para tentar controlar pela força militar, o coração da Eurásia – o seu único rival potencial como região económica.

Mantido em segredo da maioria dos americanos, por George H.W. Bush e pelo seu amigo e protegido de facto, o Presidente democrata Bill Clinton, a realidade foi que para a facção que controlava o Pentágono - a indústria de defesa militar, as suas inúmeras empresas subcontratadas e companhias gigantes de petróleo e serviços ligados ao petróleo, como a Halliburton - a Guerra Fria nunca terminou.

A “nova” Guerra Fria assumiu vários disfarces e tácticas enganosas até 11 de Setembro de 2001. Esses eventos permitiram que um Presidente americano declarasse guerra permanente contra um inimigo que estava em toda parte e em nenhum lugar e que, alegadamente, ameaçava o modo de vida americano, justificando leis que destruíram esse modo de vida, em nome da nova Guerra mundial contra o Terror. Resumindo, Osama bin Laden foi a resposta a uma prece do Pentágono, em Setembro de 2001.

O que poucos sabiam, em grande parte porque a comunicação mediática nacional responsável, recusou dizer-lhes, foi que, desde a queda do Muro de Berlim, em Novembro de 1989, o Pentágono vinha a seguir, passo a passo, uma estratégia militar para dominar o planeta inteiro, um objectivo que nenhuma grande potência anterior jamais alcançara, ou pensou que poderia tentar. Foi designado pelo Pentágono como "Domínio Total do Espectro" e, como o próprio nome indicava, a sua agenda/programa era controlar tudo, em todos os lugares, incluindo no alto mar, na terra, no ar, no espaço e até mesmo no espaço cibernético.

Essa agenda foi seguida ao longo de décadas em escala muito menor, com golpes apoiados pela CIA em países estratégicos como Irão, Guatemala, Brasil, Vietnam, Gana e Congo Belga. Agora, o fim de uma superpotência, a União Soviética, significava que a meta poderia ser, efectivamente, cumprida sem oposição.

Já em 1939, um pequeno círculo de especialistas de elite foi convocado, sob o mais alto sigilo, por uma organização privada de política externa, o Conselho de Relações Exteriores de Nova York. Com fundos generosos da Fundação Rockefeller, o grupo começou a mapear os detalhes de um mundo pós-guerra. De acordo com a sua opinião, uma nova guerra mundial estava prestes a acontecer e, das suas cinzas, apenas um país sairia vitorioso - os Estados Unidos.

A sua tarefa, como alguns dos membros mais tarde descreveram, era estabelecer as bases de um império americano do pós-guerra - mas sem chamá-lo assim. Foi um logro astuto que inicialmente levou grande parte do mundo a acreditar nas alegações americanas de apoio à ‘liberdade e democracia’ em todo o mundo. Em 2003, acontece a invasão do Iraque pela Administração Bush, baseada na afirmação falsa e ilegalmente irrelevante, de que Saddam Hussein possuía armas de destruição em massa, essa mentira estava a esgotar-se.

Qual era a verdadeira agenda das incansáveis guerras do Pentágono? Era, como alguns sugeriram, uma estratégia para controlar as grandes reservas de petróleo numa era futura de escassez? Ou havia uma agenda muito diferente, mais grandiosa, por trás da estratégia dos EUA desde o fim da Guerra Fria?

O teste decisivo para saber se a agenda militar agressiva das duas administrações de Bush era uma extrema aberração da política militar estrangeira americana, ou, pelo contrário, no coração de sua agenda de longo prazo, estava a presidência de Barack Obama.

As indicações iniciais não eram optimistas para aqueles que esperavam a tão desejada mudança. Como presidente, Obama escolheu um amigo íntimo da família Bush de longa data, o antigo Director da CIA e Secretário da Defesa, Robert Gates, para dirigir o Pentágono. Escolheu como chefe do Conselho de Segurança Nacional e Director da National Intelligence/Serviços Secretos Nacionais, militares de carreira de longa data e o seu primeiro acto como Presidente, foi anunciar o empenho em aumentar as tropas no Afeganistão.
F. William Engdahl – Abril, 2009

A seguir: 
CAPÍTULO UM
Guerra na Georgia -- Putin deixa cair uma bomba 
Armas de Agosto e Um Desses Números Engraçados


CONVITE PARA A CONVENÇÃO INTERNACIONAL
DO 70º ANIVERSÁRIO DA NATO




Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

No comments:

Post a Comment

PISA BOOK FESTIVAL



Imagem

PT -- VLADIMIR PUTIN na Sessão plenária do Fórum Económico Oriental

Excertos da transcrição da sessão plenária do Fórum Económico Oriental

índice


“Copyright Zambon Editore”

PORTUGUÊS

GUERRA NUCLEAR: O DIA ANTERIOR

De Hiroshima até hoje: Quem e como nos conduzem à catástrofe

ÍNDICE

me>

FOX NEWS

TRIBUTE TO A PRESIDENT


NA PRMEIRA PESSOA

Um auto retrato surpreendentemente sincero do Presidente da Rússia, Vladimir Putin

CONTEÚDO

Prefácio

Personagens Principais em 'Na Primeira Pessoa'

Parte Um: O Filho

Parte Dois: O Estudante

Parte Três: O Estudante Universitário

Parte Quatro: O Jovem especialista

Parte Cinco: O Espia

Parte Seis: O Democráta

Parte Sete: O Burocrata

Parte Oito: O Homem de Família

Parte Nove: O Político

Apêndice: A Rússia na Viragem do Milénio





Pigeon's comment: I'm very lucky to have the chance to meet my leader
 ...


Daniele Ganser

Açores


Subtitled in EN/PT

Click upon the small wheel at the right side of the video and choose your language.


xmas





“Glory to God in the highest,

and on Earth

Peace, Good Will toward men.”

This Christmas, Give Peace