Sunday, July 19, 2015

Português -- O Pentágono Conclui que a América Não Está Segura a Não Ser que Conquiste o Mundo




O Pentágono divulgou a "Estratégia Nacional Militar dos Estados Unidos da América  2015", em Junho de 2015.

O documento anuncia uma mudança  do termo terroristas para  "agentes estatais" que "estão a desafiar as normas internacionais." É importante compreender o que é que estas palavras significam. Os governos que desafiam as normas internacionais são países soberanos que seguem políticas, independentemente da política de Washington. Esses "estados revisionistas" são ameaças, não porque planeiam atacar os EUA, pois o Pentágono admite que nem a Rússia nem a China pretendem fazê-lo, mas porque são independentes. Por outras palavras, a norma é a dependência de Washington.

Certifiquem-se que compreendem o ponto da questão: A ameaça é a existência de estados soberanos, cuja independência de acção os torna "estados revisionistas". Por outras palavras, a sua independência está fora de sintonia com a doutrina neoconservadora do poder Único, que declara que a independência é  um direito somente de Washington. A hegemonia da História de Washington exclui  qualquer outro país de ser independente nas suas acções.

O relatório do Pentágono define os principais “estados revisionistas" como sendo a Rússia, a China, a Coréia do Norte e o Irão. A atenção está concentrada principalmente na Rússia.Washington espera cooperar com a China, apesar da "tensão da região Pacífico Asiática", que a China defende como sendo da sua esfera de influência, uma defesa "inconsistente com a lei internacional" (isto provém de Washington, o grande violador do direito internacional), mudando o que resta do mercado consumidor americano para a China. Ainda não é certo que o Irão tenha escapado ao destino que Washington impôs ao Iraque, ao Afeganistão, à Líbia, à Síria, à Somália, ao Iémen, ao Paquistão, à Ucrânia e,  por cumplicidade, à Palestina.

Na sua hipocrisia, o relatório do Pentágono é suficientemente audacioso , como são todas as declarações de Washington, para declarar que Washington e os seus vassalos "apoiam as instituições estabelecidas e os processos dedicados a impedir o conflito, respeitando a soberania e promovendo os direitos humanos." Esta afirmação provem dos militares de um governo que invadiu, bombardeou e derrubou 11 governos desde o regime Clinton e que está actualmente a trabalhar para derrubar os governos da Arménia, do Quirguistão, do Equador, da Venezuela, da Bolívia, do  Brasil e da Argentina.


No documento do Pentágono, a Rússia está sujeita ao ataque do inimigo por não agir "de acordo com as normas internacionais", o que significa  que a Rússia não está a seguir a liderança de Washington.

Melhor dizendo, este relatório é uma estupidez escrita por neoconservadores, a fim de fomentar a guerra com a Rússia.

Nada mais pode ser dito sobre o relatório do Pentágono, que justifica guerra e mais guerra. Sem guerra e sem conquistas, os americanos não estão seguros.

A visão de Washington em relação à Rússia é a mesma de Cato, o Ancião, em relação a Cartágo. Cato, o Ancião, terminava todos os discursos sobre qualquer assunto no Senado romano, com a declaração: "Cartágo tem ser destruída."


Este relatório diz-nos que a guerra com a Rússia é o nosso futuro, a menos que a Rússia concorde tornar-se um estado vassalo como todos os países da Europa e o Canadá, a Austrália, a Ucrânia e o Japão. Caso contrário, os neoconservadores decidiram que é impossível aos americanos tolerar  um país que toma decisões independentemente de Washington. Se os Americanos não poderem ditar o Poder Único ao mundo, é melhor que estejamos todos mortos. Pelo menos, será o que vai mostrar aos russos.

Tadutor: The Light Journalist


No comments:

Post a Comment

PUTIN FRENCH

putin

VLADIMIR SOLOVYOV WORLD ORDER

PRESIDENT

lie we live

pt

xmas





“Glory to God in the highest,

and on Earth

Peace, Good Will toward men.”

This Christmas, Give Peace